fantasia, Literatura Estrangeira, Uncategorized

O Quebra-Nozes

Sinopse: “É véspera de Natal. Marie se encanta, dentre todos os presentes, por um quebra-nozes em formato de boneco. Ela acomoda o novo amigo no armário de brinquedos – mas, à meia-noite, ouve estranhos ruídos. Aterrorizada, vê seu padrinho, o inventor Drosselmeier, sinistramente acocorado sobre o relógio de parede, e um exército de camundongos invadindo a sala, comandado por um rei de sete cabeças! Contra eles, os brinquedos saem do armário e põem-se em formação. Têm uma grande batalha pela frente, sob as ordens do Quebra-Nozes… Entre o sonho e a realidade, Marie viverá histórias maravilhosas e estranhas, de reinos, feitiços e delícias. Histórias em que o inusitado padrinho tem um papel especial, e nas quais só pode embarcar quem tem os olhos e o coração preparados. Você tem? Esta edição inclui as duas variantes da história: a versão original de E.T.A. Hoffmann e a clássica de Alexandre Dumas – que popularizou a história e inspirou o famoso balé de Tchaikovsky –, com tradução de André Telles (do francês) e Luís S. Krausz (do alemão). Traz ainda apresentação da pesquisadora e especialista em contos de fadas Priscila Mana Vaz e mais de 200 ilustrações de época.”

border-159926_960_720

Partes Favoritas:

Conhecer a contextualização do quebra-nozes foi mágico. Nunca tinha lido sua história e não sabia da existência de duas versões famosas, como há neste exemplar. Adorei conhecer sua história aprofundada e perceber tudo o que o originou.

Comentários:

Ao admirar todos os seus presentes na véspera de Natal, a jovem Marie vê com destaque um boneco, o quebra-nozes. Se sente intrigada por aquele brinquedo e acaba passando da hora de dormir cuidando dele. Contudo, percebe que talvez seus bonecos não sejam tão estáticos quanto imaginou e, na realidade, travam suas próprias batalhas contra o reino dos ratos, diante de uma antiga e longa história. Eu não a conhecia da maneira como li. A contextualização e os porquês de todo o enredo são interessantes. Por vezes, pelo foco ser o de um clássico infantil, parece que toda a fantasia não passa de uma brincadeira de Marie, mas talvez essa realmente seja a intenção, trazer um questionamento entre o real e a fantástico.

Este exemplar conta com duas versões, a de Alexandre Dumas e a original de E.T.A. Hoffmann. As duas são narradas como se um contador de histórias as tivesse contando. A primeira apresenta muitos detalhes, principalmente de caracterização dos personagens, o que, no início da narrativa, traz um tom cansativo ao enredo, em minha opinião. A segunda é mais sucinta e não engata nos pequenos detalhes. Considerei cansativo ler as duas versões uma seguida da outra, são extremamente semelhantes e se diferenciarem em pormenores, o contexto em si não é alterado.

Marie me lembrou de Alice no País das Maravilhas se aventurando por ambientes com seres que ela nunca imaginou. Uma história simples, mas ressalto meu estranhamento com o fato de uma criança de 7 anos ter o desfecho que teve e, também, algumas situações pareceram não encaixar direito, mudando de cena de repente. Fora isso é um clássico infantil, para se distrair!

Mensagem:

Acredito que a mensagem aqui esteja relacionada ao fato de não julgar o outro pelas aparências, sem conhecer, sem saber seus reais motivos ou até toda a bagagem e situações que tal pessoa já vivenciou.

“O que é um ser humano e no que um ser humano pode se transformar?”

border-159926_960_720

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s