A Sereia

angie lester (29)

Sinopse: “Anos atrás, Kahlen foi salva de um naufrágio pela própria Água. Para pagar sua dívida, a garota se tornou uma sereia e, durante cem anos, precisa usar sua voz para atrair as pessoas para se afogarem no mar. Kahlen está decidida a cumprir sua sentença à risca, até que ela conhece Akinli. Lindo, carinhoso e gentil, o garoto é tudo o que Kahlen sempre sonhou. Apesar de não poderem conversar — pois a voz da sereia é fatal —, logo surge uma conexão intensa entre os dois. É contra as regras se apaixonar por um humano, e se a Água descobrir, Kahlen será obrigada a abandonar Akinli para sempre. Mas pela primeira vez em muitos anos de obediência, ela está determinada a seguir seu coração.”

stock-vector-vintage-gold-frame-on-a-white-background-graphic-vector-design-636295640

Partes Favoritas: 

Acredito que gostei do momento em que percebi traços do famoso conto da Pequena Sereia na história, onde Kahlen (nossa personagem principal), uma sereia, se envolve e se apaixona por um humano, Akinli. Com essa paixão ela esquece suas responsabilidades e só vê ele em sua frente, tal como aconteceu no conto da Pequena Sereia!

“Não importa o que acontecesse naquele dia, naquele ano, sempre existia uma história de alguém que havia superado seu momento mais sombrio.

Eu não estava só.”

Comentários: 

Após esta leitura, eu enxerguei a água de uma forma diferente, nos mitos que conheci, sobre sereias, elas cantavam e acabavam por matar o homem para seu próprio prazer. Mas aqui é possível perceber que elas o fazem para alimentar a água, para um propósito maior. Uma história com um enredo muito bem elaborado, que te deixa pensando por horas: “nossa será que não é assim mesmo?”. Principalmente por terem, na vida real, tantos naufrágios que não sabemos o real motivo deles.

Na história, temos mais 4 sereias que vivem junto de Kahlen servindo a água, são elas: Aisling a mais velha delas, Miaka que se mostra uma amante da arte e vende seus quadros pela internet, Elizabeth a mais nova e Padma que acaba se tornando a mais nova após presenciarmos sua transformação.

A narrativa feita por Kahlen, em primeira pessoa, é voltada totalmente para a vida destes seres marinhos e mostrando como a água, por mais que tenha um papel como malvada na história, ama suas sereias e as vê como filhas.

Kiera Cass me surpreendeu em cada capítulo com o desenrolar desta história, onde as sereias tem um “trabalho” que poderia ter feito uma ter ódio da outra, na realidade, fez com que se amassem e se unissem! Um livro com muitos ensinamentos e personagens com trajetórias maravilhosas!

IMG_8009

Mensagem: 

Eu vi duas mensagens muito valiosas dentro desta história:

> A primeira, percebi muito amor dentro deste livro, não só no romance principal, mas em cada um dos personagens que aparecem, amor entre as sereias, uma faz tudo pela outra e são gratas por não estarem sozinhas nessa situação. O que é muito raro em um livro, já que a maioria dos autores querem sustentar uma história com o seu ápice em um ódio entre os personagens, principalmente aqueles que tem uma paixão.

> Segunda e mais aparente, quando as sereias se transformam elas esquecem suas vidas como humanas, só não esquecem quando há demasiado ódio de situações que passaram. O fato de não deixarmos os nossos monstros e preocupações de lado muitas das vezes  az com que passemos tempo demais pensando naquilo que nos fez mal, deixando de viver o presente. Quando aquela voz vem na sua cabeça relembrando os momentos ou pessoas ruins que passaram pela sua vida, não fique alimentando seu ódio, o ódio impede que você siga em frente. Perdoe o outro e a si próprio para que você possa viver da melhor forma o presente. Só com perdão e amor conseguimos esquecer as coisas ruins que passamos.

Kiera Cass / Editora Seguinte / Fantasia, ficção, jovem adulto, literatura estrangeira, romance

stock-vector-vintage-gold-frame-on-a-white-background-graphic-vector-design-636295640

– EXTRA –

Sereias:Quem mais colaborou com o imaginário ocidental foram os gregos. Em 1100 a.C., eles criaram não só as sereias como as sirenas: mulheres-pássaros que causavam naufrágios ao distrair marinheiros com a voz. Diferentemente das mulheres-peixe, nunca se apaixonavam por humanos. Eram filhas do deus-rio Aqueloo, criadas para serem amigas de Perséfone, filha de Zeus e Deméter”
“Falsos relatos já rolam há muito tempo. O próprio Cristovão Colombo afirmou tê-las visto, em 1493, perto do Haiti. Segundo o navegador, elas não eram tão bonitas quanto nos retratos. Cientistas hoje acham que ele pode ter visto um peixe-boi marinho, que vai à superfície respirar, emite sons parecidos com cantos e tem uma cauda achatada que lembra um rabo de sereia”

Fonte: (15 fev 2018) https://mundoestranho.abril.com.br/curiosidades/afinal-sereias-existem/

Um comentário sobre “A Sereia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s